sábado, 7 de fevereiro de 2015

ÊXODO

  Gosto de materiais que tenham memória, vivenciais, como dizia o velho mestre Nélson Leirner.     Já trabalhei com couro, tecido, cabelo, madeira, papel.
 Nesse momento, estou trabalhando com pregos enferrujados que foram retirados de um telhado  de mais de 30 anos de uso, de uma casa da minha família, que foi substituído por outro.
 Estes pregos estavam tortos, como se estivessem cansados. Ao vê-los ali jogados ao chão, me veio a imagem de pessoas ,como retirantes, refugiados de guerra em fuga pelo deserto. 
 Dei o título de "Êxodo"



       






ENCONTREI UMA POÇA

        
                                                
                                              Desenhos com lápis de cera derretido





                                            












sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

SEM TÍTULO



  Desenhos sempre me acompanham.
  Naqueles momentos de silêncio, onde nenhuma " grande ideia" surge, eles aparecem.



                                               














SEM TÍTULO


Há algum tempo venho trabalhando com materiais descartáveis: cabelo, sacos de ração animal,pregos enferrujados, madeira de demolição, dentre  outros .                                
A questão está em como transformar estes materiais dando uma certa nobreza a eles para que  o trabalho não remeta à arte povera, porque não é esse o objetivo                    
Aqui, me utilizo dos sacos de ração animal, com os quais faço colagens superficiais sobre  uma estrutura  de  MDF, criando situações ora cômicas, ora irônicas.                        
 
     
                                                                                                         





DESVIO



  Procuro um padrão
 ao fazer esses recortes , mas o desvio acaba acontecendo,seja no meu recorte irregular, seja no próprio padrão      











I am

       
Usando o pirógrafo, vou escrevendo algumas palavras como se fosse um bordado sobre o papel.
I am, me, eu amo . É um trabalho  que fala de identidade e singularidade.